Reflexões Éticas sobre a Singularidade do Filme Gattaca


filme gattaca

Gattaca, no Brasil, “Gattaca – Experiência Genética”, é um filme norte americano de 1997, uma ficção científica que aborda as preocupações sobre as tecnologias reprodutivas que facilitam a eugenia – produzir uma seleção nas coletividades humanas, baseada em leis genéticas – e as 

possíveis consequências de tais desenvolvimentos tecnológicos para a sociedade.

Uma curiosidade sobre o título do filmeGattaca” é que se trata da ordenação de uma série de bases nitrogenadas que compõem o DNA, no caso a Guanina, Adenina, Timina e Citosina. Todos os seres humanos têm em comum na estrutura molecular do DNA a presença dessas quatro bases nitrogenadas que compõem o genoma humano, totalizando 27.000 mil genes. O que diferencia um ser humano do outro é a sequência das quatro substâncias G, A, T e C, o que não ocorre com gêmeos idênticos, portadores da mesma sequência genética.

Apesar de o filme ser do gênero ficção científica, ele nos leva a pensar sobre as implicações éticas e morais da engenharia genética, como a Clonagem, organismos geneticamente modificados, Projeto Genoma Humano, transplantes, terapia gênica: a moderna biotecnologia tem potencial para alterar profundamente a natureza e, o próprio ser humano. Ressalta-se que o que é ficção hoje, pode não sê-lo amanhã. Veja o exemplo da conquista espacial com a chegada do homem a lua.

O filme nos sensibiliza quanto à reflexão sobre as consequências da tecnologia no futuro, suas implicações éticas, morais e legais na vida real. No filme não há que se falar em aspectos legais, pois a sociedade de Gattaca está apoiada na lei. Assim, resta-nos discutir os aspectos éticos, morais e legais com base na legislação e cultura brasileira.

SINOPSE DO FILME

O filme se passa em um futuro próximo, em que as técnicas de engenharia genética seriam capazes de orientar a produção de filhos "perfeitos". No entanto, alguns casais ainda seguem o "método tradicional" e deixam que as leis da natureza e da fecundação ao acaso gerem seus filhos, chamados "inválidos". É assim que nasce o personagem principal do filme – Vincent.

Vincent trabalha em uma empresa de voos espaciais, GATTACA. Ele está determinado a fazer parte de uma equipe num voo para Titã, uma lua de Saturno. Para isso, porém, ele tem de esconder sua "identidade genética", já que possui um problema cardíaco sério, que poderá provocar sua morte por volta dos 30 anos. Vincent esconde esse problema apresentando nos exames amostras do sangue e da urina de Jerome, um indivíduo geneticamente "perfeito", mas, por acidente, ficou paraplégico.

QUESTÕES ÉTICAS E LEGAIS

A bioética estuda os problemas éticos ligados às pesquisas em biologia e medicina e às suas aplicações. Ela discute, portanto, as implicações morais (o que é certo, o que é errado) das aplicações da medicina e da biotecnologia.

Desse modo, a bioética procura responder às questões do tipo: Devemos clonar um ser humano? Podemos usar células de embriões em fase inicial de desenvolvimento para o tratamento de doenças? Seria ético que os pais escolhessem o sexo e outras características da criança? Uma pessoa deve ser informada se um teste genético indicar que ela poderá desenvolver uma doença incurável no futuro? Isso poderia antecipar o desenvolvimento dessa doença em função da ansiedade ou depressão originada do conhecimento antecipado da mesma? Empresas e companhias de seguro têm o direito de realizar testes genéticos em seus funcionários ou em candidatos a um emprego para detectar doenças que poderão se desenvolver no futuro?

Isso poderia criar problemas nas relações trabalhistas caso algum empregador demitisse determinado empregado por ser portador do vírus HIV. Segundo o posicionamento do Tribunal Superior do Trabalho (TST) a Súmula 443 dispõe: “Presume-se discriminatória a despedida de empregado portador do vírus HIV ou de outra doença grave que suscite estigma ou preconceito. Inválido o ato, o empregado tem direito à reintegração no emprego”.

Atualmente dispomos de testes genéticos capazes de prever o aparecimento de determinadas doenças e já usamos a engenharia genética para prevenir o aparecimento de algumas doenças e também para escolher filhos sem determinadas doenças recessivas ligadas ao cromossomo X, como a hemofilia, por exemplo. Nesse caso, são usadas técnicas de reprodução assistida para implantar apenas embriões femininos e heterozigotos para evitar a doença, pois a referida só se manifesta no sexo masculino, salvo raríssimas exceções.

A manipulação genética poderá tornar-se uma ferramenta discriminatória em vários setores sociais, principalmente nas relações de trabalho. Sabendo-se o código genético do ser humano, será possível prever as possíveis doenças que o empregado pode vir a ter e com isso se permitir a escolha do funcionário geneticamente melhor para uma contratação. Tal procedimento fere o art. 5º, X da Constituição Federal/88, o qual trata de garantias quanto à intimidade, à honra e a imagem, além do assédio moral, que se caracteriza por condutas antiéticas expondo o trabalhador a situações constrangedoras e humilhantes, ferindo o princípio da dignidade da pessoa humana de acordo com o art. 1º da CF/88 e, a violação de um direito significa prática de ato ilícito, e a prática de ato ilícito enseja direito à indenização, segundo o Código Civil, artigos 186 e 927.

Entretanto, é considerada infração criminal prevista no art. 269, do Código Penal, a omissão de informações aos órgãos competentes quando constatada a existência de doenças de notificação compulsória, segundo Portaria nº 104, de 25/01/ 2011 do Ministério da Saúde. Deve ser observado com rigor o que preconiza o art. 154. Do Código Penal: “Revelar alguém, sem justa causa, segredo, de que tem ciência em razão de função, ministério, ofício ou profissão, e cuja revelação possa produzir dano a outrem: Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa. Parágrafo único. Somente se procede mediante representação”.

É provável que, com a evolução da engenharia genética, esses procedimentos não fiquem restritos às doenças quando as pessoas se acharem no direito de escolher algumas características de seus filhos, como a cor dos olhos ou o nível de inteligência. Nesse caso haverá uma divisão social entre aqueles que podem pagar tais procedimentos e os que não podem, contribuindo para a discriminação baseada no código genético.

Uma sociedade que controla e determina o que cada um pode realizar deve estar amparada na lei, todavia, quem decide esse controle? É legal, ético e moral discriminar e cortar o acesso ao que uma pessoa deseja a partir de "imperfeições" genéticas, como ocorre com Vincent no filme? Qual o critério de “perfeição” adotado? Imperfeito é aquele que é "diferente" dos demais? No filme aparece um pianista de seis dedos em cada mão, capaz de tocar uma peça especialmente criada para ele, ninguém mais pode fazê-lo. Os seis dedos representam uma "imperfeição"? E o que dizer dos gênios da música, da literatura e da ciência que em função das suas idiossincrasias poderiam facilmente ser classificados como imperfeitos?

Do ponto de vista genético em Gattaca, Jerome (o paraplégico) é considerado perfeito, entretanto ele se suicida. Então, surge uma pergunta: para alguém ser feliz é necessário ser perfeito?

O DESTINO NÃO É DETERMINADO PELOS GENES

Prova incontestável de que a genética não determina o destino de uma pessoa ou todo seu potencial é o fato dela ser meramente voltada para as bases nitrogenadas, ignorando a mente e a consciência por estas não estarem presentes nos genes. Observa-se que em gêmeos idênticos (mesmo código genético) não há mesmo comportamento, um se mostra mais tímido o outro extrovertido, diferindo um do outro tanto nos aspectos emocionais, psicológicos, cognitivos, intra e interpessoais, enfim, dois seres completamente diferentes, salvo o aspecto genético.

Ora, é sabido que o ser humano se constrói na adversidade, é disso que vem a motivação de Vincent que está determinado a vencer suas limitações, “imperfeição genética” e ir para o espaço – Titã. Se a genética determina algumas propensões, o ambiente, a cultura e a sociedade exercem em maior grau outras tantas propensões.                 

CONCLUSÃO

É necessário fazer uma distinção entre ética, ciência e direito, a primeira está ligada aquilo que valorizamos, enquanto a segunda não pode atender todas as necessidades humanas, e a terceira está preocupada com o controle social – aquilo que pode ou não ser feito. Do mesmo modo bioética não se confunde com biodireito. A Bioética é anterior ao Biodireito, este último se ocupa de normas, princípios e relações jurídicas vinculadas à: procriação assistida e manipulação genética em sentido amplo; natureza jurídica do embrião; aborto; recombinação de genes; eugenia; transplante de órgãos entre seres vivos e "post mortem"; direito à saúde; genoma humano; criação e patenteamento de seres vivos; eutanásia; propriedade do corpo vivo ou morto.

A pesquisa científica, como qualquer atividade humana, é uma faca de dois gumes, porque assim como pode criar medicamentos que salvam vidas, pode também criar armas de destruição em massa. No final é o ser humano quem decide como usar essa pesquisa, seja pautado na ética ou não.

A singularidade genética deve ficar restrita a relação médico-paciente para que o mesmo não sofra os mais diversos preconceitos, porque as características genéticas que influenciam determinado indivíduo não são boas nem más. Elas são apenas características, porque toda diversidade existente no planeta só glorifica a vida.

O que você pensa sobre o tema? Deixe um comentário logo abaixo ou sugira um artigo, precisamos de ambos para continuar melhorando o blog.

Esperamos sua visita em breve. Obrigado pela Companhia e, compartilhe com os seus Amigos!

   Conheça os Livros do Autor:   

Junte-se aos Nossos Leitores e Receba nossas atualizações!

Respeitamos sua privacidade. Você está 100% seguro!

22 comentários:

  1. ATENÇÃO: Caso tenha achado o artigo interessante considere a possibilidade de indicarem o referido em suas páginas: Twitter, Google+, Facebook, etc. Considere também a possibilidade de seguir este Blog ou Assinar nossa Newsletter porque toda vez que for publicado um novo artigo aqui ele vai diretamente para seu e-mail.
    Obrigado pela presença e participação nos comentários.
    Forte abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  2. Tratar de ética é sempre complexo. Quando pensamos nela envolvendo alguns outros conceitos, como moral, cidadania, costume e direito (quer a ciência ou a legislação), essa tarefa torna-se ainda mais difícil. Para conseguir viver bem com meus semelhantes e comigo mesma, tenho empregado uma palavra como obrigatória no meu cotidiano: RESPEITO. Posso até não aceitar/concordar com alguns comportamentos, mas procuro sempre respeitar cada ser humano como um indivíduo dotado de razão e sentimento. Se nos colocarmos no lugar de cada concidadão, direcionando nosso agir em grupo para a prevenção e a solução de conflitos, evitaremos a repreensão social e continuaremos a acreditar que o direito pode punir quando realmente a ética foi ferida. Luciana Rangel.

    ResponderExcluir
  3. Gostei do texto e gostaria de usá-lo em minhas aulas. É possível ?

    ResponderExcluir
  4. excelente texto. De fácil entendimento. Sucinto e claro. Parabéns ao autor!

    ResponderExcluir
  5. Obrigado sério de verdade me ajudou muito :)

    ResponderExcluir
  6. Apesar do texto se tratar de uma ficção sobre gênesis, o filme nos sensibiliza quanto à reflexão sobre as consequências da tecnologia no futuro, suas implicações éticas, morais e legais na vida real. Um futuro próximo que podemos escolher como serão nossos filhos, se serão perfeitos ou se podemos escolher ser criados no método tradicional, a escolhas estaria a nosso dispor.
    De fato nossa genética não define nosso destino, porque ha vários caminhos a serem percorridos na vida. Temos direito de ir e vir sujeitos a penalidades em Constituições, onde tudo que nós sabemos nossos direitos de ter ou não ética.

    Lazaro Feitosa dos Santos

    ResponderExcluir
  7. Seria bom se fosse possível curar todas as doenças,no filme eles queriam que todos fossem perfeitos mas nem todos eram,como Vincent que tinha problema cardíaco,não precisava discriminar ele era só providenciar um tratamento que Curase Vincent.Pedro Henrique Souza Ramos

    ResponderExcluir
  8. Ótimo filme,isso mostra o quanto o ser humano esta evoluindo seus conhecimentos perante a ciência.Porem tudo tem o seu limite,muitas coisas serão desvendadas para o bem da sociedade.Mais quando envolve a ética e direito o assunto sera sempre complexo,pois muitas pessoas não aceitaram algumas condições que a ciência colocara a disposição da sociedade.Os costumes e ate mesmo o preconceito entrara em jogo,rejeitando todo e qualquer tipo de inovação, e sempre evidenciando a tradição de pensamentos.

    Beatriz Marques de Aguiar

    ResponderExcluir
  9. Falar sobre genética ou tipos de doenças que poderiam ser devolvidas no futuro eh um pouco complicado. Vejamos pelo o lado que se alguém descobrisse que iria ter um câncer no futuro, de alguma forma seria ótimo pois ela ja poderia começar a se cuidar e podiaria até mesmo não desenvolver o câncer, por outro lado seria terrível o sofrimento antecipado de não saber se conseguia evitar ou não. A biomedicina faz um trabalho maravilhoso, tentar previnir ou evitar tais doenças eh magníficas eh algo incrível. Lamentável sabermos que nem todos podem fazer alguns tipos de tratamento por serem muito caros, ainda á uma grande diferença social e os nossos recursos na saúde eh muito precário.

    Simone Nunes Dantas

    ResponderExcluir
  10. O texto fala sobre um assunto que é pouco conhecido por muitos e pouco comentado. Mas foi bastante significativo ler sobre esse tema porque reconhecemos que a nossa genética é muito importante guardá-la, e o direito que temos de deixa-la restrita. De uma coisa é muito certa relatada nesse texto, ao final de tudo somos nós quem decidimos se vamos ser usados para uma pesquisa ou não. Aprendi bastante lendo esse texto, a explicação do texto foi objetiva e detalhada, porque o tema dito acima é complicado de se entender e com o texto desse blog conseguir entender bastante.

    Eduardo Frutuoso de Souza

    ResponderExcluir
  11. O Texto traz uma reflexão bastante pertinente quanto à relação entre a genética, direito e a ética, trazendo consigo diversas questões que merecem uma atenção mais aprofundada como a recombinação de genes, eutanásia entre outros. Pois o texto não trata somente do princípio da dignidade da pessoa humana, mas também dos valores humanos. Pesquisas que envolvem a genética humana devem ter certo limite, e discernimento daquilo do que pode e o que não pode ser feito. Acredito que futuramente isso se torne um beneficio para doenças genéticas hereditárias, contribuindo para a sua cura e filhos saudáveis, sendo assim possível ter a liberdade de escolha pelos métodos tradicionais e que sejam respeitados. Sabemos que as pesquisas não param, e que a vida ainda é um bem intocável e que possui um valor inestimável, que deve ser protegida de qualquer vulnerabilidade ou que a coloque em risco, assegurando as condições necessárias para o respeito do ser humano quanto a sua vida, integridade física e psíquica, existência, a liberdade e sua moral.

    Karen Karulina de Vasconcelos

    ResponderExcluir
  12. Rayane Costa Miranda28/06/16 15:54

    Gattaca é filme norte americano de ficção científica que trata sobre as preocupações da tecnologia reprodutiva. Guanina, Adenina, Timina e Citosina que são bases nitrogenadas que compõem o DNA. Nos seres humanos temos uma estrutura molecular do DNA contendo essas quatro classes. Mesmo o filme sendo sobre ficção cientifica ele nos faz refletir sobre a ética e moral na engenharia genética. No filme se passa a cena que no futuro com as novas técnicas de engenharia genética, seria capaz de criar filhos perfeitos. Mais algumas coisas seguindo os mesmo caminhos de antes como ato da fecundação etc. A bioética estuda problemas éticos relacionados à medicina e a biologia. Estudando sim se devem clonar seres humanos, se devem usar células de embriões em faze de formação para tratamento de doença, etc. Tendo em vista a genética não define o comportamento de nos humano por exemplo, uma pessoa pode ter duas filhas gêmeas idênticas mais suas formas de agir e seu comportamento são completamente diferentes um do outro sendo assim a estrutura genética não influenciando na forma de se agir.

    ResponderExcluir
  13. O filme nos sensibiliza quanto á reflexão sobre as consequências e beneficios da tecnologia no futuro, suas implicações éticas, morais e legais na vida real. Um futuro próximo, em que as técnicas de engenharia seriam capazes de produzir filhos perfeitos, com alto nivel de inteligencia, e sem qualquer tipo de doenças. Achei legal, porém os que nascem de formas naturais são chamados de invalidos e proibidos de fazer algumas atividades por conta de uma doença ou até mesmo por ter nascido de forma natural, um preconceito onde acho que não deveria existir, assim acabando com a ética, moral e valores humanos.

    Emanuel Ponssiano Galdino Fernandes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente o filme gattaca é uma interessante reflexão sobre os caminhos a que a engenharia genética pode levar e os impactos.está tecnologia e a ciência de modo geral pode ter na sociedade. Também é uma reflexão sobre como a ciência pode ser usada para legitimar e,no caso criar uma hierarquia social,principalmente se feita sem crítica e controle da sociedade .



      Emanuelle Coelho de Aguiar

      Excluir
  14. Limitar a ciência é um retrocesso em minha opinião, mas a ética por traz deve ser mantida, leis são mudadas a todo momento e se a ciência puder ser usada para nos levar a onde nunca fomos antes isso com certeza é uma coisa boa, posso até estar errado mas concordo plenamente com a premissa do filme em si, é claro que deve haver certa ética em se tratando em experiencias com o genoma humano mas inovar e aprender o máximo possível sobre tal assunto é muito importante para o futuro da humanidade!

    Maria Santana da Silva Oliveira

    ResponderExcluir
  15. O texto e ótimo, concordo em partes com autor que citou usou de muita criatividade para falar de um assunto muito polemico, que é a genética, onde a ética falada de uma forma coerente.

    Maria Aparecida de Morais Monteiro

    ResponderExcluir
  16. O texto e ótimo, concordo em partes com autor, que citou e usou de muita criatividade para falar de um assunto muito polêmico, que é a genética; onde a ética e falada de uma forma coerente.

    Maria Aparecida de Morais Monteiro

    ResponderExcluir
  17. Ter em mente um futuro proximo promissor onde pode se clonar "pessoas idênticas" ou ate mesmo criar os "filhos perfeitos" super inteligentes através da tecnologia, detectar doenças muito tempo antes de acontecer, tem o seu lado positivo mas também tem o seu lado negativo tudo no começo e bom e maravilhoso, as inovações as descobertas e com o passar do tempo nos seres humanos acabamos vendo algum defeito onde as vezes não existe. Como podemos criar algo perfeito se nos somos imperfeitos, pois tem certas coisas em que o homem não precisa se envolver de tal forma que possa mudar toda a humanidade.

    MAYKE DIAS DA SILVA

    ResponderExcluir
  18. Concordo mais e complexo- Pois é importante para o futuro onde está acontecendo varias  doenças e com base na tecnologia avançada  o lado bom e que podemos descobrir algumas formas de cura e ao mesmo tempo nao onde o ser humano que confundir  a vida em cima de uma ficcao pois temos que ver o lado das crenças e respeitando que acima de tudo pois o ser humano ele quer mostras sua capacidade e inteligencia adotando coisas que fogem dos principais da vida e isso nao podemos aceitar pois alem de tudo tem algo acima da ciência e que o ser humano ele nunca vai descobrir como foi a sua existência na terra entao clonagem de embriões estao fora de qualquer princípios da vida. Joana de paula

    ResponderExcluir
  19. Alertar - nos sobre o que provavelmente aconteceria à sociedade se começássemos a escolher geneticamente os novos indivíduos para que sejam melhor nisso ou naquilo. Se vc prestar bastante atenção no filme irá perceber que todos são de aparência similares, vestem roupas similares, isso é ruim porque o que faz com que uma espécie sobreviva é a variedade. Os válidos (indivíduos geneticamente modificados) são tratados como superiores aos indivíduos inválidos( concebidos de forma natural), mesmo que haja leis que protejam os inválidos de tal discriminação, eles acabam recebendo os piores empregos. E também existe o caso de um indivíduo ser modificado para tal função e querer ser outra coisa completamente diferente. O filme faz com que nós refletimos sobre ética e moral, se esse método seria bom ou ruim.
    Ádna Priscila Almeida Tabelião

    ResponderExcluir